terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Ano novo, tempo de balanço?

Todos os anos antes de começar o novo ano ou no final do antigo, tenho feito um post com o balanço do ano anterior e perspectivas para o próximo. Antes de começar este post fui reler o que escrevi no ano passado e achei curioso o meu sentimento.

2015 foi um ano morno e não consegui perspectivar nada para 2016.
2016 foi um ano de montanha russa que começou mal mas acabou com a nossa vida organizada, como há muito tempo não estava.

No entanto e talvez por há muito tempo não sentir a vida organizada ainda não tive tempo para saborear esse facto. E o medo de a destabilizar novamente é tanto que não me permito ainda sonhar.

Hoje, ao ler um post num outro blog que falava de mudança de vida, percebi que não sou a única com este sonho. Eu já sabia que não era mas não há muita gente a verbalizar esse sentimento. Mas depois de tantos anos, depois de tantos projectos, depois de tantas tentativas efectivas de mudança, confesso que estou cansada. Perdi a coragem até de me meter em trabalhos extra e projectos extra. Nem os consigo imaginar. Os meus dias são passados neste momento no meu trabalho remunerado que não é o ideal mas é o que eu tenho, com a família e alguns amigos. Vou-me entretendo com alguns grupos do facebook como o paleo descomplicado (a ultima moda) e com algum desporto no meu ginásio de eleição o Vivafit Linda a Velha. Até a vontade de correr se sumiu este ano, coisa que o ano passado andava no auge.

Continuo a achar que há mais qualquer coisa que me está destinada mas não consigo ver mais além. 

Continuo a achar esta sensação esquisita de não ter objectivos nem projectos extra.

Tenho tanta vontade de voltar a acreditar que vou ter um futuro profissional mais feliz e mais realizada.

Não sei o que o ano 2017 me reserva. Estamos no inicio e não vejo nada. E também não faço por mudar. Estou literalmente encostada à boxe a ver os dias e as horas a passar. E nem a esperança de me cair qualquer coisa em cima eu tenho pois já deixei de ter essa ilusão.

No outro dia, em conversa com uma amiga referi-lhe isso mesmo. Que neste momento tinha desistido e que me tinha mentalizado que esta seria a minha vida. Ela disse que também tinha feito isso com grande tristeza. Somos assim tão comodistas? Temos assim tanto medo de arriscar? Queria dizer que não mas a realidade é outra.

Se calhar temos de nos mentalizar com a nossa realidade e sermos na mesma felizes dentro dela. A vida é mais do que um trabalho, uma profissão. Será?

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Ler é o melhor remédio

Tenho centenas de livros nas prateleiras da sala que não tenho coragem de me libertar deles. Muitos deles de quando eu era criança, na esperança que os meus filhos tivessem o mesmo gosto pela leitura e pela escrita que eu tenho. Estão lá, intactos, com as suas histórias de aventura, histórias fantásticas com personagens de todo o género. Livros que ainda hoje olho para eles e me trazem memórias boas do tempo em que eu tinha tempo para ler e passava dias inteiros literalmente envolvida no mundo daquele livro. Tento fazê-los entender a capacidade que a nossa mente tem de imaginar as personagens apenas pela forma como o autor as descreve, como conseguimos conhecer locais, países ou imaginar um planeta completamente diferente e distante apenas através da forma como o autor os caracteriza. O modo como nos envolvemos na tristeza das personagens e como conseguimos até ficar zangados com as personagens, da mesma forma como choramos de alegria com um final feliz. Muitas vezes acabo um livro e penso como seria a vida daquela personagem depois da história que foi contada. Sim, é ficção. Ás vezes não, até são inspiradas em histórias reais que nunca conheceríamos se não tivéssemos lido aquele livro. Para mim ler é inspirador, a minha melhor forma de libertar o stress e relaxar. Quando leio entro noutro mundo, noutro século por vezes. Vivo nos anos 30 ou sou uma astronauta em Marte. Um dia sou uma princesa, noutro sinto-me uma detective. Sinto-me parte daquela história como se eu própria vivesse aquela história. Só quem gosta de ler compreende. E eu gostava que os meus filhos conseguissem sentir esta experiência. É tão, mas tão boa e enriquecedora.

💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗
#coisasboasdavida #ler #livro #ospequenosnadas


terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Gosto de ser FELIZ

Gosto do sol e do calor do sol quente na minha pele
Não gosto de chuva e de sentir os pés molhados
Gosto do mar e do som do mar da minha praia
Não gosto de água fria e de ter a pele arrepiada
Gosto de ouvir a chuva quando estou na cama
Não gosto de dias cinzentos e feios
Gosto do toque da pele de quem amo
Gosto do cheiro a pão quente caseiro acabado de sair do forno
Gosto do pêlo brilhante do meu cão quando acaba de sair do banho
Não gosto de gritar nem de ter de me chatear
Gosto dos meus amigos e gosto que gostem de mim
Gosto de ver filmes e séries de mão dada
Gosto de rir e de dar gargalhadas
Gosto de dormir aninhada
Gosto de dar beijos e sentir o toque dos meus lábios na pele de quem amo
Não gosto que me ignorem
Gosto de passear e de ver coisas bonitas
Não gosto de correr
Gosto de comer e de ser saudável
Não gosto de estar doente e de me sentir mal
Gosto de dançar, de ouvir musica, sorrir e sonhar
Gosto de me enfiar na cama dos meus filhos e sentir o calor deles
Gosto de escrever o que sinto e partilhar
💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗💗
#gostonaogosto #coisasboasdavida #amordaminhavida





segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

42 anos a festejar a vida

Vive-se intensamente num mundo louco, tentando e fazendo por ser feliz todos os dias. Mais um ano que passou, mais uma primavera ou neste caso, que nasci no inverno, mais um inverno. Nasci no inverno por engano com certeza pois o meu coração tem o verão lá dentro. Sou uma pessoa de calor, vindo de todas as formas. Foi um ano que passou sem eu dar conta é verdade. Sem tropeções, sem grandes desilusões. Foi um ano em que se resolveram alguns berbicachos. Já são 42 anos de vivências, de amor, de tristezas, de desilusões e alegrias. 42 anos a festejar a vida. Este ano foi mais um ano cheio de tudo. Passei o dia 9 de Dezembro, rodeada da minha família, fiz compras de Natal e acabei a jantar a sós com a pessoa da minha vida. Não podia ter desejado melhor. Fui feliz. Sou FELIZ. #aniversário #maisumano #soufeliz #festejaravida




Vida a contra relógio

O despertador toca implacável. O corpo ainda dormente pede mais descanso. Fecha-se os olhos só mais um bocadinho....
.... Quando se abrem novamente começa a corrida a contra relógio. Mais um dia. Acordar miúdos aos beijos e abraços (para violência matinal já basta o nosso despertador). Pequeno almoço que se leva para o caminho. Pára-arranca numa fila interminável. E as horas a passarem a correr. No trabalho o telefone toca, o email urgente que tem de se responder, o chefe que insiste no prazo daquele trabalho que estamos a terminar. Ao almoço corre-se para o ginásio mas nem aí o tempo pára. Corre-se, pula-se, respira-se, sua-se. Alma renovada mas cansada. Banho revigorante, compras de ultima hora e corre-se para a sessão da tarde no trabalho. Almoça-se lá rapidamente a marmita que se trouxe de casa. Mais um telefonema, um email, contas de fornecedores e estado para pagar. Reunião e já é hora de voltar. Mais pára-arranca numa outra fila que parece não ter fim. Levar miúdos ao futsal ou ficar a fazer o jantar. A segunda opção normalmente. A primeira fica por conta do pai. Chegam miúdos, tomam banho e mesa para jantar. Berra-se desnecessariamente nesta altura por conta do cansaço e da pressa do dia. Berra-se com todos indiscriminadamente e todos berram. Arruma-se a cozinha e já é hora de colocar miúdos na cama. São 23h quando finalmente respiramos. Temos sorte ainda assim. E assim começa outro dia. #pressadeviver #otempovoa


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

A amizade novamente

A amizade é uma coisa estranha. Não devia ser mas para mim é. Costuma dizer-se o mesmo do amor mas neste caso falo da amizade mesmo. O problema não és tu, sou eu também se pode aplicar aqui. Mesmo achando lá no fundo que não temos culpa alguma desse abandono.

Tenho inveja das amizades longas e sérias, daquelas pessoas que têm os mesmos amigos há 30 e 40 anos e que mesmo não os vendo ou falando todos os dias, sabem que podem contar com aquelas pessoas. A inveja é feia dizem vocês. É, mas eu tenho. E tenho porque nos meus 40 e quase 2 anos de vida, olho para trás e percebo que não tenho esse tipo de amizades na minha vida. A minha amiga mais antiga, digo verdadeira amiga (penso eu de que, pois já não digo nada), tem uns 15 anos talvez. Tenho muitas pessoas que chamo de amigas com muito mais anos como é óbvio, mas sejamos realistas. Serão amigas mesmo?


Costumo escrever aqui imensas vezes sobre a amizade porque é um tema que me toca particularmente. Sou uma pessoa que gosto de estar com outras pessoas, gosto de socializar e por isso não consigo perceber o que se passa comigo quando não consigo manter determinadas amizades.

Tento dar justificações a mim própria. A pessoa x está muito ocupada, não tem tempo para ligar, os filhos têm uma vida social muito ocupada, tudo verdade mas ainda mais verdade é isto. Quando se quer mesmo estar com essa pessoa, arranja-se sempre um bocadinho. Sem espinhas.

Há uns tempos eu escrevia aqui felicíssima que andávamos no auge com novas amizades e que isto dos miúdos teve o seu tempo mau mas que agora é que era e seriam amizades para valer estas de agora que se tinham criado, muito por causa dos miúdos .

Mas é tudo uma ilusão. Era tudo uma ilusão. Como um casal de namorados que nos primeiros tempos é só beijinhos e abraços e amor isto e amor aquilo mas passado um tempo, percebe que os caminhos afinal são paralelos. Ou seja, caminham lado a lado mas sem interferências. Cada um na sua.

Não estou a escrever isto de modo amargo (embora admita que possa parecer). Escrevo isto apenas como o constatar de uma certeza que cada vez tenho mais presente na minha vida.

A certeza que se calhar não é a amizade que é esquisita. Sou eu que estou cada vez mais esquisita e sou cada vez mais exigente. Dizem que a amizade não se cobra mas eu talvez seja uma pessoa cobradora. Porque eu dou muito de mim e fico deveras triste quando não recebo o mesmo do outro lado. Percebo que quando se cobra, o outro lado pode não gostar e percebo porque por vezes também sinto o mesmo por parte de outras pessoas cobradoras. Mas a amizade acaba por ser mesmo isto. É saber cobrar, saber aceitar a cobrança. Não fugir.

Continuo a dizer que os homens são muito melhores que as mulheres a gerir as amizades.

Mas também posso ser eu a culpada de não ter amigas de longa data. Sou de certeza eu.

Ai credo, que post tão lamechas este. Deve ser da mudança de hora que me afectou o humor. E do frio... e tudo... pronto. Já chega. Melhores dias virão para esta miúda tonta.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

MEDO

É a palavra que mais define o meu sentimento neste momento. A América foi a votos ontem. Donald Trump (sim, sim... esse mesmo) e a Hillary Clinton (sim, sim... essa mesmo). Venha o Diabo e escolha mas ainda assim dentro do mau, que escolhesse a Hillary que talvez fosse a que quem aquece nem arrefece.

Mas NÃO!!!! Aquele povo escolheu quem se candidatou quase como uma brincadeira. Pelo menos era o que eu achava... que era uma brincadeira... de muito mau gosto por sinal. A América escolheu o Trump. Uma pessoa ordinária, com ideias radicalistas, homofóbico e xenófobo.  Alguém que eu não me admira nada que leve o mundo para uma 3ª Guerra Mundial.

Há 8 anos atrás eu escrevia isto cheia de esperança que a eleição do Obama tivesse alguma influencia na melhoria das condições do mundo. 4 anos depois já com a realidade bem visível de que afinal o Obama também não aqueceu nem arrefeceu no que diz respeito à melhoria do mundo, mas que ainda assim continuava a ser um presidente que incutia confiança nas pessoas, lá voltou a ganhar.

Agora só digo que espero sentir o mesmo nos proximos anos, que senti nos ultimos 8 anos com o Obama presidente que é, rigorosamente NADA!.

E desta vez espero mesmo não sentir nada pois a sentir alguma coisa, tenho a certeza que não vai ser positiva.

MEDO!!!! Muito MEDO do que pode vir do outro lado do Atlântico.

http://www.jn.pt/mundo/interior/aconteceu-trump-eleito-presidente-5487667.html

http://visao.sapo.pt/opiniao/em-sincronizacao/2016-11-09-Trump-presidente--Merda-merda-merda

http://www.dn.pt/mundo/ao-vivo/interior/america-escolhe-o-proximo-presidente-5486923.html